Agricultura assina convênio com a Vale para estudo e propagação de plantas raras

Projeto visa estudar técnicas de propagação para plantas endêmicas do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais

sex, 23/06/2023 - 12h48 | Do Portal do Governo

Cientistas e pesquisadores de todo o Brasil, sob a coordenação da APTA Regional de Piracicaba, da Agência Paulista de Tecnologia de Agronegócios, ligada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Governo do Estado de São Paulo, e a Vale estão pesquisando técnicas para propagação e multiplicação de plantas raras e endêmicas do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais.

O objetivo é garantir a sobrevivência das espécies e a criação de novos protocolos para produção em viveiros, reintrodução em ambientes alterados e introdução em novos locais. A iniciativa também pode servir para estudos genômicos, ciência que estuda a formação dos organismos, sua estrutura e função, possibilitando definir estratégias personalizadas de rastreamento, prevenção e inovação.

O projeto denominado de “Rede Propagar” conta com pesquisadores de Institutos de Ciência e Tecnologia (ICTs) como: APTA, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP), Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Universidade Federal de Viçosa (UFV), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

DownloadAPTA Regional
Espécime de Dyckia sp. germinada via técnica de cultura in vitro e em desenvolvimento nos laboratórios da APTA de Piracicaba

No Brasil, enquanto algumas plantas de importância econômica e ecológica são intensamente estudadas, outras espécies mais vulneráveis, como as endêmicas dos campos rupestres, recebem menos esforços de pesquisa, necessitando de ações e programas de conservação. Neste sentido, novas pesquisas podem contribuir para compreender a dinâmica populacional das espécies e garantir sua sobrevivência.

“Na literatura atual não temos informações técnicas sobre propagação e produção de muitas das plantas endêmicas dos campos rupestres do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais em viveiros. Esse trabalho irá contribuir efetivamente não só para sobrevivência e reprodução de espécies raras, mas também como suporte para o desenvolvimento de planos de conservação e manejo, além de deixar um importante legado científico”, afirma Ana Amoroso, engenheira florestal da Vale. Para ela,  as informações também contribuirão para atividades de educação ambiental e conservação da biodiversidade, podendo ser utilizadas por escolas, associações comunitárias, ONGs e demais grupos que se interessem pelo tema. “Como, por exemplo, uma produção em maior escala destas espécies”, destaca Amoroso.

DownloadAPTA Regional
Cinnamomum quadrangulum Kosterm. em experimento de tratos culturais

Para os experimentos de propagação, produção de mudas e estudos genéticos serão utilizados materiais vegetais coletados em unidades de conservação, parques estaduais e federais e áreas protegidas pela Vale. O Quadrilátero Ferrífero tem uma área aproximadamente de 7.200km2 abrangendo o sul da Cadeia do Espinhaço, e essa região é considerada uma das de maior diversidade da flora da América do Sul contendo cerca de 30% da flora endêmica.

“Os resultados irão viabilizar avanços científicos inéditos, novas estratégias de conservação e recuperação da biodiversidade do Quadrilátero Ferrífero, além de fomentar o desenvolvimento sustentável e econômico das comunidades locais, uma vez que o conhecimento será compartilhado, através de cartilhas e outros meios de comunicação, para uso por pequenos produtores e viveiristas o que irá viabilizar o aumentando da produção e distribuição dessas espécies”, destaca a professora e doutora Maria Zucchi, da APTA Regional de Piracicaba.

Espécime de Dyckia densiflora Schult. & Schult.f. germinada e aclimatada em casa de vegetação

As plantas resultantes dos processos de germinação de sementes e micropropagação serão transferidas para a estufa agrícola para testes de substratos, crescimento e aclimatação, sendo expostas a diferentes ambientes de aclimatação e buscando tratamentos que aumentem a sobrevivência das mudas quando transplantadas na natureza. Além disso, a revegetação de áreas degradadas com a introdução dessas espécies nativas, já adaptadas às condições ambientais presentes, pode acelerar a recuperação ambiental e aumentar a possibilidade de sobrevivência nestas áreas.